Votorantim Energia: “Podemos ir além.”

Gerente de Inovação e Projetos Estratégicos da Votorantim Energia, Helena Velloso, destaca a necessidade de novas parcerias para o crescimento do ecossistema de inovação do setor elétrico.
Hellena Velloso Votorantim Energia

Com um consolidado portfólio em comercialização e geração de energias renováveis, a Votorantim Energia investe em inteligência, inovação e tecnologia para fortalecer estratégias de crescimento no mercado de energia.

Atenta aos atuais desafios do setor elétrico, a empresa aposta na atuação com parceiros, que estejam engajados no fomento à inovação. O objetivo é criar uma rede para discussão de ideias, projetos e possibilidades para o futuro.

Em entrevista ao Energy Future, a gerente de Inovação e Projetos Estratégicos da Votorantim Energia, Helena Velloso, fala sobre o trabalho da área de inovação da VE e oportunidades de evolução do ecossistema de inovação do setor de energia elétrica.

Como uma empresa que atua promovendo inovação, como você analisa o ecossistema de inovação nacional no setor elétrico?

Nosso ecossistema está em fase de desenvolvimento e tem mostrado resultados bem interessantes nos últimos anos. É importante destacar que evoluímos muito, principalmente no desenvolvimento de tecnologias que habilitam novas formas de operação do sistema elétrico, como por exemplo, uso de técnicas avançadas de inteligência artificial e machine learning para manutenção preditiva e redução de custos em termos de manutenção. Nossa relação com o meio acadêmico, centros de pesquisa e universidades, foi fundamental para o desenvolvimento das inovações em seus primeiros elos da cadeia. 

Mas podemos ir além. Agora é o momento de buscarmos a evolução em termos de modelos de negócio mais competitivos, que coloquem os clientes no centro do desenvolvimento de novos produtos e serviços e que habilitem a criação de um motor de desenvolvimento de inovação, que eleva a qualidade da pesquisa e entrega ao mercado resultados consistentes. O desenvolvimento de parcerias, que vão além das universidades e centros de pesquisa, é fundamental para o crescimento do ecossistema e as startups assumam um papel fundamental para atingirmos esse patamar.

O desenvolvimento de parcerias, que vão além das universidades e centros de pesquisa, é fundamental para o crescimento do ecossistema e as startups assumam um papel fundamental para atingirmos esse patamar.

Qual é a orientação estratégica adotada pela área de inovação em relação aos projetos de P&D e de startups? Essa visão mudou com os impactos da Covid?

Na Votorantim Energia, nossa tese de inovação, tanto para os projetos com startups, quanto para o desenvolvimento de projetos de P&D, é sustentada em três direcionadores estratégicos principais:

  1. Soluções baseadas em dados: queremos uma empresa cada vez mais “data-driven” e por isso, buscamos por oportunidades/soluções baseadas no uso de tecnologias que possam alavancar o valor gerado pelos dados dentro da VE (Big Data, IA, Machine Learning, Advanced Analytics);
  2. Construção de negócios em plataforma: Buscamos por soluções que contribuam para um ecossistema cada vez mais integrado, com o desenvolvimento de soluções centradas nas necessidades dos nossos clientes e que habilitem a transformação dos modelos de negócio atuais (Eficiência Energética, Energy as a Service, Storage, GD, Gestão de Medição, Novos modelos de precificação etc);
  3. Soluções que buscam Eficiência Operacional: queremos ativos cada vez mais eficientes e que gerem o máximo valor possível e por isso buscamos por oportunidades e soluções que possam gerar ganhos operacionais em nossas usinas e em áreas suporte da VE (Manutenção Preditiva, Gestão de Risco/Contratos/RH, Jurídico, Melhoria de Processos

A COVID-19 não causou impactos em nossa estratégia, que se manteve ativa e buscando resultados que gerem valor positivo aos nossos negócios.

Quais são, hoje, as maiores dores de uma área de inovação em uma empresa como a Votorantim Energia?

O setor de energia tem se transformado muito nos últimos anos, com forte inserção de renováveis, alto uso de tecnologia e maior desafio com a sofisticação e digitalização das informações e soluções. Os consumidores estão cada vez mais ativos dentro das cadeias de valor e sensíveis a ofertas de maior valor agregado. Com isso, encontramos uma série de desafios para promover inovação, que gere impacto em longo prazo. Nosso trabalho tem se direcionado a responder algumas perguntas-chave:

• Como proteger as iniciativas de impacto e disrupção da concorrência com as iniciativas do core business?

• Como as tendências de mudança impactarão os atuais modelos de negócio?

•  Como identificar e atuar em segmentos onde o valor está sendo criado, tanto dentro como fora de minha indústria?

• Como tornamos a tomada de decisão e a execução de projetos ágil para respondermos rápido às demandas do nosso mercado/clientes?

• Que capacidades precisam ser desenvolvidas para criar um ecossistema sustentável que propicie inovação contínua e de impacto para o desenvolvimento de novos modelos de negócio?

O ambiente no setor elétrico nacional ainda é considerado muito tímido para iniciativas de startups, ou mesmo iniciativas mais avançadas na cadeia de inovação. Na sua análise, a que se deve essa falta de participação dos empreendedores?

Estamos em fase de evolução do ecossistema de inovação do setor de energia. Historicamente, existiam poucos veículos para o financiamento da inovação no setor, sendo em alguns casos responsabilidade exclusiva do P&D ANEEL. 

Por muitos anos, as regras impostas para o uso do recurso de P&D, bem como um mercado bastante regulado e com pouca competitividade, dificultavam a inovação em fases mais avançadas, por favorecerem mais a pesquisa básica e aplicada, majoritariamente realizadas em ambiente acadêmico no Brasil e fundamentais para o avanço que enxergamos hoje.

Com a evolução dos regulamentos do programa e das transformações no setor – baseadas na digitalização, descentralização, descarbonização, eletrificação e, principalmente, aumento de competitividade e abertura do mercado livre – a participação de atores, como startups, passou a ser mais necessária e importante para a evolução do mercado. Neste contexto, elas passam a exercer um papel fundamental para o desenvolvimento de projetos em fases mais avançadas da cadeia de inovação do setor.

A evolução da participação de startups é natural e está diretamente ligada à evolução do ecossistema. É preciso fortalecer os investimentos e tornar o mercado atrativo para empreendedores e investimentos de maior risco associado.

Como você avalia a aplicação do recurso de P&D, de forma regulada, para a  inovação do setor?

Como disse anteriormente, o P&D ANEEL foi e continuará sendo um importante veículo de evolução do setor de energia. A regulação é necessária e fundamental para o melhor controle e uso adequado dos recursos e vem evoluindo ao longo do tempo e permitindo que mais e mais projetos sejam executados.

É preciso continuar buscando evoluções para que o programa possa avançar em termos de impacto, além da já produção científica massiva, de ótima qualidade, porém que pouco avança para aplicações reais e desenvolvimento de produtos e serviços. 

Para que o conceito de inovação seja de fato incorporado em sua plenitude, é preciso que se criem mecanismos que incentivem a tomada de riscos e consequentemente o desenvolvimento de projetos em fases mais avançadas da cadeia de inovação. Criar uma maior proximidade com a indústria, startups, com diversas entidades executoras, focando no desenvolvimento de novos produtos, serviços e modelos de negócio, pode de fato alavancar a inovação no Brasil e alavancar positivamente os resultados do P&D ANEEL.

Na sua opinião, o que não pode faltar a um empreendedor que deseja inovar no setor de energia?

Resiliência, conhecimento do mercado e dos regulamentos do setor e uma certa dose de audácia para explorar caminhos diferentes dos que tradicionalmente são explorados. Precisamos de empreendedores que busquem de fato a transformação e que consigam explorar as inúmeras oportunidades existentes em nosso setor e que se ampliarão ainda mais com a abertura cada vez maior do mercado livre de energia.

Precisamos de empreendedores que busquem de fato a transformação e que consigam explorar as inúmeras oportunidades existentes em nosso setor.

Quais são as expectativas da VE em relação ao Energy Future?

O Energy Future está incorporado à nossa estratégia de inovação, como importante veículo de engajamento com o ecossistema de inovação, nos auxiliando na prospecção de projetos, desenvolvimento de parcerias com startups, universidades e centros de pesquisa, mapeamento de tendências que possam transformar o setor, desenvolvimento de novos produtos, serviços e modelos de negócio. E para consolidar o nosso posicionamento como empresa inovadora e ser reconhecida como a melhor empresa do setor de energia pelos nossos clientes, nossos acionistas, nossos colaboradores e nas comunidades que atuamos, entregando resultados sustentáveis e admiráveis.

Para se aprofundar sobre o trabalho realizado pela área de inovação da Votorantim Energia, clique aqui para ser redirecionado à página da empresa no portal do Energy Future. 

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Related Posts